sábado, 31 de julho de 2010

Aconteceu no 11/06....

Pois é, meninas! Quem diria que eu poderia levar a sério escrever sobre a minha vida cotidiana? Esperem, não estou confirmado meu ingresso na carreira de escritora, colunista, nada disso. Obviamente, nem mesmo isso seria possível sem o incentivo de vocês, que acham tanta graça quando relato algum dos meus infortúnios! Dizem que tendemos mesmo a sentir certo...digamos....prazer... em testemunhar a desgraça da vizinha! De qualquer forma agradeço o empurrãozinho!


Mas, na verdade, como não rir da vida, se ela mesma vive nos pregando peças o tempo todo? E, vamos combinar, sou vítima das tais “pegadinhas”! Já busquei explicações das mais diversas: karma, destino, má sorte, co-criação indevida, má utilização do poder da mente, Lei de Murphy, macumba, urucubaca, boca do sapo. Uma lista de possibilidades que, de fato, não explicam porque tanto sofrimento!

E tem semana que acontece tudo ao mesmo tempo: o chefe enlouquece ou desaparece, a empresa caminha para o abismo negro do prejuízo acumulado, tenho que esconder dos colegas de trabalho que em pouco tempo não serão mais meus colegas de trabalho, meu caso ou affair (ou até mesmo “amigo Batman”, como diria uma sábia amiga, Pat) resolve me dar o bolo na véspera do dia dos namorados, a grana no banco sumiu (Não, não sofri nenhum ataque de racker! Ou ganho pouco, ou gasto além do orçamento! Óbvio: ganho uma miséria!), subo na temida balança apenas para descobrir que ganhei dois quilos em 10 dias de férias! Para começo de conversa, quem é que tira apenas 10 dias de férias? Euzinha.

E neste momento, quando nada me conforta, nada serve de alento, nem uma palavra amiga, um abraço, um colo de mãe, nada, absolutamente nada, é que me pergunto: o que foi que eu fiz de errado? Joguei pedra na cruz? Esfreguei o assoalho do inferno com o Santo Sudário? Atirei a primeira pedra? Quando Ele gritou para o portador de necessidades especiais: “levanta-te e anda”, teria eu colocado o pé na frente para provocar a queda do pobre enfermo? Já sei: fui eu que provoquei a dor de barriga do Ronaldinho quando ele amarelou e não jogou aquela famosa partida durante uma Copa do Mundo! Só pode ser!

É claro que, como toda mulher, se o rascunho de namorado não tivesse furado, até um afago no cabelo feito por ele faria com que tudo isso ficasse no passado. Ao menos por algumas horas. Jacaré deu as caras? Nem o dito cujo!

O jeito é aproveitar a última garrafa de vinho tinto, que, aliás, foi presente do chefe “Lost”, e dormir de pilequinho! Assim, esqueço os colegas, os desempregados, o jacaré, o Ronaldinho, o chefe, a Maria Madalena, e todo resto!

Só um minuto, chegou um sms.

Adivinhem só? É ele! O jacaré! Ou melhor, o amigo Batman! U-huuu! Vamos ter que continuar este papo outra hora, porque o sorriso já se fez de uma orelha à outra!

Mas, sobre o que eu falava mesmo? Ah. Esqueci. Fica para a próxima, que estou indo nessa!

Feliz dia dos Namorados! Ops! Você está sem namorado, né? “In between boyfriends”, boba! Solta essa que as pessoas vão até te achar chique e moderninha!

3 comentários:

  1. Sensacional, ainda bem que o Vi me falou que vc fez um blog, dou total apoio ficou excelente.

    Bjus
    Paula

    ResponderExcluir
  2. Otima essa Dé!!!
    Na verdade acho que os amigos do tipo Batman, friends with benefits ou amizades coloridas podem fazer bem e ter seu lugar! hehehe!

    ResponderExcluir